Sábado, Maio 25

Ações judiciais de CPAP resolvidas por US$ 1,1 bilhão

A Philips Respironics chegou a um acordo de 1,1 mil milhões de dólares devido a alegações de que pessoas que utilizavam o seu CPAP e outros dispositivos respiratórios foram prejudicadas por gases nocivos e partículas de espuma que se alojaram nas vias respiratórias, por vezes durante anos.

Milhares de pessoas alegaram em ações judiciais que foram feridas pelas populares máquinas Philips DreamStation. O acordo afeta CPAP, ou pressão positiva contínua nas vias aéreas, máquinas que pessoas com apneia do sono ou outras dificuldades respiratórias utilizam à noite para melhorar a respiração, bem como outros tipos de máquinas utilizadas em casa e nos hospitais.

A Philips não admitiu qualquer falha no acordo, incluindo se os dispositivos causaram os ferimentos, de acordo com um relatório financeiro emitido na segunda-feira.

O acordo de danos pessoais segue um acordo de US$ 479 milhões alcançado em setembro por perdas financeiras para pacientes e empresas de vendas de equipamentos médicos que financiaram os dispositivos de substituição. A Philips também concordou com um decreto de consentimento no início deste ano que forçou a empresa a interromper as vendas de novos dispositivos nos Estados Unidos até que certas condições fossem atendidas.

O acordo de segunda-feira resolve em grande parte anos de litígio sobre uma questão que incomodava profundamente pacientes e médicos, que tiveram que pesar o risco de deixar a respiração interrompida dos pacientes sem tratamento versus o uso de uma máquina que poderia causar danos. Os pacientes inundaram os legisladores e a Food and Drug Administration com reclamações sobre um recall caótico e um esforço de substituição que deixou muitos meses de espera ou mais de um ano por um dispositivo atualizado.

em uma carta À Philips, em maio de 2022, o FDA observou que a empresa havia recebido relatórios sobre o problema já em 2015, mas não avaliou as informações nem abordou os problemas do aparelho.

O recall começou no verão de 2021 em meio a preocupações de que as máquinas estivessem liberando gases potencialmente cancerígenos. O recall inicial afetou cerca de 15 milhões de respiradores produzidos desde 2006, embora aproximadamente cinco milhões ainda estivessem em circulação em meados de 2021.

A FDA informou no início deste ano que, desde que a Philips alertou pela primeira vez sobre os problemas, as autoridades receberam 116 mil reclamações, incluindo 561 relatos de mortes, que pessoas ou advogados disseram estar relacionadas a defeitos na espuma do dispositivo.

Desde então, a empresa moderou as suas advertências, dizendo que testes adicionais mostraram que os gases não eram tão tóxicos como se acreditava inicialmente.

Os investidores reconheceram a resolução, já que as ações da empresa subiram cerca de 33% na manhã de segunda-feira, para cerca de US$ 28 por ação. A empresa disse que parte do negócio seria coberta por seguro.

Os advogados dos demandantes saudaram o acordo.

“Em última análise, estes acordos combinados alcançam o que pretendíamos quando este litígio começou: responsabilizar a Philips através da obtenção de cuidados para aqueles que sofrem lesões físicas e compensação para aqueles que necessitam de novos dispositivos respiratórios”, Sandra L. Duggan, Kelly K. Iverson e Christopher A , Seeger, advogados que representam os demandantes, disseram em um comunicado.