Sábado, Julho 13

As orcas são consideradas uma espécie única. Deveriam ser?

As orcas são consideradas uma espécie única.  Deveriam ser?

As orcas são algumas das criaturas mais cosmopolitas do planeta, nadando pelos oceanos do mundo. Eles patrulham as águas geladas perto de ambos os pólos e aparecem periodicamente nos trópicos, em locais da África Ocidental ao Havaí.

Embora os seus habitats e hábitos variem amplamente, todas as orcas são consideradas parte de uma única espécie global: orca. (Apesar do nome comum, as orcas fazem parte de uma família de mamíferos marinhos conhecida como golfinhos oceânicos.)

Agora, os cientistas basearam-se em décadas de investigação para sugerir que duas populações de orcas frequentemente observadas ao largo da costa do Pacífico dos Estados Unidos e do Canadá são, na verdade, tão diferentes uma da outra (e de outras orcas) que deveriam ser consideradas espécies distintas.

Em um papel Publicado terça-feira na revista Royal Society Open Science, os cientistas propuseram dar novas designações de espécies a dois grupos de animais, um conhecido como baleias assassinas residentes e outro frequentemente chamado de baleias assassinas de Bigg. Embora ambos os tipos vivam no leste do Pacífico Norte, eles têm dietas diferentes: as orcas residentes comem peixes, com uma predileção particular pelo salmão, enquanto as orcas de Bigg caçam mamíferos marinhos, como focas e leões marinhos.

A proposta documenta muitas outras diferenças comportamentais, físicas e genéticas entre as duas populações de baleias assassinas, que têm evoluído de forma afastada uma da outra há centenas de milhares de anos, disseram os cientistas.

“Esses dois tipos são geneticamente dois dos tipos mais distantes em todo o mundo”, disse Phillip Morin, geneticista do Centro de Ciências Pesqueiras do Sudoeste da Administração Nacional Oceânica e Atmosférica, ou NOAA, e autor do estudo. “Eles não apenas estão se comportando de maneira diferente. “Eles realmente estão nessas trajetórias evolutivas que consideramos espécies diferentes.”

Não existe uma definição única do que é considerado uma espécie e as linhas entre as populações animais são muitas vezes confusas. Mas estes tipos de distinções taxonómicas podem ter implicações de conservação, disseram os cientistas, permitindo aos especialistas tomar decisões mais informadas sobre como gerir diferentes populações de baleias assassinas.

“Eles enfrentam ameaças diferentes”, disse John K. Ford, especialista em orcas e cientista emérito da Fisheries and Oceans Canada, que não foi autor do novo artigo.

Nas últimas décadas, por exemplo, a recuperação do número de focas e leões marinhos ajudou a alimentar um boom populacional das orcas de Bigg, disse ele. As baleias assassinas residentes, por outro lado, foram ameaçadas pelo declínio das populações de salmão selvagem.

Ford disse que os autores do novo artigo apresentaram um “argumento muito forte”, reunindo um conjunto crescente de evidências de que as orcas residentes e as orcas de Bigg são criaturas claramente diferentes. “São essas múltiplas linhas de evidência que apontam todas na mesma direção”, disse ele.

O próximo passo será apresentar a proposta a um comitê de especialistas em taxonomia da Sociedade de Mammalogia Marinha, que mantém “a lista de espécies mais confiável”, disse Morin.

Nos últimos anos, os avanços científicos permitiram aos cientistas realizar análises mais sofisticadas dos genomas das baleias assassinas. Os dados sugerem que as orcas de Bigg se separaram de outras orcas entre 200 mil e 300 mil anos atrás. Os residentes, por sua vez, separaram-se de outras orcas há cerca de 100 mil anos. Análises genéticas e comportamentais também sugerem que tem havido pouco cruzamento entre as orcas de Bigg e as orcas residentes nos últimos anos.

“É uma evidência muito convincente que sugere que representam espécies diferentes”, disse Kim Parsons, geneticista do Northwest Fisheries Science Center da NOAA e autor do estudo.

No geral, os genomas eram suficientemente diferentes para que os cientistas pudessem prever, com grande precisão, se uma orca era uma orca de Bigg ou uma baleia assassina residente com base apenas no seu ADN.

O formato do crânio é igualmente preditivo. As orcas de Bigg têm crânios maiores e mais largos, com mandíbulas mais curvas do que as residentes, características que poderiam ajudá-las a capturar presas maiores. As orcas de Bigg também são ligeiramente maiores do que as residentes em geral, com barbatanas dorsais mais largas e pontiagudas e diferentes padrões de manchas pretas e brancas.

Existem também diferenças comportamentais. As baleias assassinas residentes vivem em grupos grandes e estáveis ​​e são conhecidas por serem falantes e se comunicarem facilmente enquanto perseguem peixes. As orcas de Bigg, por outro lado, vivem em grupos menores e caçam silenciosamente. Quando vocalizam, seus assobios soam diferentes dos dos moradores.

Os autores do artigo propuseram dar às baleias assassinas residentes o novo nome científico. Orcino depois. Se a Sociedade de Mammalogia Marinha aceitar a proposta, os cientistas disseram que planeiam consultar grupos indígenas no noroeste do Pacífico para selecionar um novo nome comum que reflita a importância cultural das orcas.

Os cientistas sugeriram que as orcas de Bigg mantivessem esse nome comum, em homenagem a Michael Bigg, um influente pesquisador de orcas, mas recebessem o novo nome científico. Orcinus retipinnus.

Uma análise mais detalhada poderá revelar outras populações de orcas que se qualificam como espécies distintas, disseram os cientistas.

“Há tanta diversidade nos oceanos que não conhecemos”, disse o Dr. Morin. “Mesmo com animais do tamanho de um ônibus escolar.”