Sábado, Maio 25

Atualizações ao vivo da guerra de Gaza: Israel diz que enviará mais tropas para Rafah

A África do Sul instou na quinta-feira os juízes do tribunal superior das Nações Unidas a ordenar a Israel que ponha fim ao seu ataque terrestre a Rafah, no sul de Gaza, dizendo que isso colocava a vida palestina no enclave em risco iminente de destruição.

A audiência no Tribunal Internacional de Justiça em Haia ocorreu depois de a África do Sul ter solicitado na semana passada que o tribunal impusesse novas restrições a Israel na sua campanha militar em Gaza. Em documentos divulgados pelo tribunal, a África do Sul citou o “dano irreparável” causado pela incursão de Israel em Rafah, a cidade mais a sul de Gaza, onde metade da população do território procurou refúgio.

“Tornou-se cada vez mais claro que as ações de Israel em Rafah fazem parte do jogo final em que Gaza é completamente destruída como uma área capaz de habitação humana”, disse Vaughan Lowe, um advogado britânico, ao tribunal. “Este é o último passo na destruição de Gaza e do seu povo palestino.”

Lowe fez parte da equipa jurídica sul-africana que apresentou o seu caso durante duas horas na quinta-feira.

Os documentos apresentados pela África do Sul afirmavam que os direitos dos palestinos em Gaza estavam ameaçados e acrescentavam que o controle de Israel sobre duas importantes passagens de fronteira no sul de Gaza (em Rafah e Kerem Shalom) colocava em risco extremo o fluxo de suprimentos humanitários para Gaza e. capacidade hospitalar. lá para funcionar.

“É difícil imaginar que uma situação como esta possa piorar, mas infelizmente piorou”, disse John Dugard, outro membro da seleção sul-africana, ao tribunal.

Vários membros da equipa dirigiram-se ao tribunal numa tentativa de construir o seu caso, citando frequentemente avisos de altos funcionários das Nações Unidas de que um ataque a Rafah iria piorar as condições para os civis e a crise de fome do enclave.

Um membro da equipa jurídica sul-africana, Tembeka Ngcukaitobi, citou declarações de altos funcionários israelitas que, segundo ele, demonstravam a intenção de destruir Gaza como um todo e não apenas o Hamas, o inimigo declarado do país.

A equipa jurídica também pediu ao tribunal que ordenasse a Israel que facilitasse o acesso a Gaza para trabalhadores humanitários, investigadores, missões de apuramento de factos e jornalistas.

Uma das advogadas, Adila Hassim, mostrou ao tribunal uma fotografia de edifícios destruídos em Khan Younis, uma cidade a norte de Rafah, para ilustrar a devastação causada pelo exército israelita em Gaza como um todo. A Sra. Hassim parecia estar à beira das lágrimas ao descrever as mortes de crianças na campanha militar.

Israel ha negado con vehemencia las afirmaciones de Sudáfrica, repitiendo que no ha impuesto restricciones a la cantidad de ayuda que ingresa al enclave y que recientemente ha tomado medidas para aumentar la cantidad de alimentos y otros suministros que ingresan, incluida la apertura de dos puntos fronterizos no norte. Laço.

Israel também afirmou que o seu último ataque a leste de Rafah foi uma “operação precisa” que teve como alvo apenas membros do Hamas, o grupo terrorista que liderou os ataques de 7 de Outubro, que as autoridades israelitas dizem ter matado mais de 1.200 israelitas e levado à captura de Israel. outros 250.

Espera-se que Israel apresente sua defesa no tribunal na sexta-feira. Gilad Noam, vice-procurador-geral de Direito Internacional de Israel, está entre os funcionários da delegação israelense que deverá discursar no tribunal. Não ficou claro quando o tribunal emitirá uma decisão, mas dado que a África do Sul disse na quinta-feira que o seu pedido era extremamente urgente porque um ataque a Rafah está em curso, parecia possível que uma decisão pudesse ser tomada em breve.

As audiências fazem parte do caso da África do Sul que acusa Israel de genocídio, apresentado em Dezembro. No final de Janeiro, o tribunal ordenou que Israel fizesse mais para evitar actos de genocídio, mas não chegou a pedir um cessar-fogo. O caso principal, que trata da alegação de genocídio, só deverá começar no próximo ano.

O tribunal, estabelecido pela carta fundadora das Nações Unidas em 1945, foi criado para resolver disputas entre os estados membros. Não tem meios para fazer cumprir as suas ordens, mas o caso da África do Sul contribuiu para a pressão internacional sobre Israel para parar a sua campanha em Gaza.

Marlis Simons e Johnatan Reiss contribuiu com relatórios.