Sábado, Julho 13

Bispos católicos dos EUA pedem desculpas por traumas em internatos indianos

Bispos católicos dos EUA pedem desculpas por traumas em internatos indianos

A Conferência dos Bispos Católicos dos Estados Unidos emitiu um pedido formal de desculpas na sexta-feira pelo papel da Igreja nos maus-tratos e traumas sofridos pelos nativos americanos nos Estados Unidos, especialmente em internatos religiosos que procuravam forçar a assimilação das crianças nativas à cultura americana.

A partir do século XIX, centenas de milhares de crianças indígenas foram separadas das suas famílias e enviadas para escolas, onde muitas vezes sofreram abusos, negligência e trabalhos forçados. Dos mais de 500 internatos indígenas criados em todo o país, a maioria com envolvimento ou apoio federal, 87 eram geridos por católicos, de acordo com um documento do grupo de investigação Catholic Truth and Healing.

“Os sistemas familiares de muitos povos indígenas nunca se recuperaram totalmente dessas tragédias, que muitas vezes levaram a lares desfeitos e danificados pelo vício, violência doméstica, abandono e negligência”, escreveram os bispos em um documento de 56 páginas emitido na sexta-feira chamado quadro pastoral. “A Igreja reconhece que desempenhou um papel nos traumas vividos pelas crianças indígenas”.

De forma mais geral, o documento diz sobre os maus tratos aos nativos americanos: “Pedimos desculpas por não termos nutrido, fortalecido, honrado, reconhecido e apreciado aqueles que foram confiados ao nosso cuidado pastoral”.

Ruth Buffalo, presidente da National Native Boarding School Healing Coalition, que frequentou um internato católico em Dakota do Norte quando era pré-adolescente, Ele disse que o pedido de desculpas parecia “um bom primeiro passo”, mas ficou desapontado pelo facto de o documento não mencionar impactos como o abuso sexual ou o número de crianças que nunca regressaram a casa.

Nick Tilsen, diretor executivo do NDN Collective, um grupo de defesa dos direitos indígenas e membro da tribo Oglala Lakota, disse que o pedido de desculpas dos bispos parecia tímido.

“O reconhecimento desta magnitude deve ser acompanhado de ação”, disse Tilsen. “Porque sem ação por trás disso, está literalmente dizendo: ‘Sinto muito, não sinto muito’”.

Ele observou que o documento mistura reconhecimentos dos danos causados ​​às crianças nativas com alegações sobre os efeitos positivos que algumas escolas tiveram, como o alojamento de crianças no Alasca que ficaram órfãs devido às epidemias.

“Se você vai apenas se desculpar, peça desculpas”, disse Tilsen. “Quantas vezes as pessoas ensinaram seus filhos; ‘Não diga que sinto muito e depois diga, mas…’.”

O documento pastoral inclui uma série de recomendações para a Igreja confrontar o seu passado e reconciliar-se com os nativos americanos, incluindo a descoberta e partilha de registos históricos e a cooperação com investigações de abusos.

“Um sentimento de confiança deve primeiro ser cultivado antes que o desejo da Igreja de se reconciliar com a comunidade nativa americana possa ser satisfeito”, escreveram os bispos. “Um desejo semelhante de reconciliação também é necessário por parte da comunidade nativa americana”.

Esta não é a primeira vez que a Igreja Católica reconhece o seu papel nos abusos cometidos contra os povos indígenas na América do Norte. O Papa Francisco pediu desculpas pelo papel da Igreja no tratamento semelhante dado pelo governo canadense aos povos indígenas durante uma visita ao Canadá em 2022.

“Sinto muito”, disse o Papa Francisco na época. “Peço perdão, em particular, pela forma como muitos membros da Igreja e das comunidades religiosas cooperaram, especialmente através da sua indiferença, em projectos de destruição cultural e assimilação forçada promovidos pelos governos da época, que culminaram no residencial sistema escolar.”