Sábado, Julho 13

Cientistas federais recomendam flexibilização das restrições à maconha

Cientistas federais recomendam flexibilização das restrições à maconha

A maconha não é tão arriscada ou tão propensa ao abuso como outras substâncias estritamente controladas e tem potenciais benefícios médicos e deve, portanto, ser removida da categoria de drogas mais restritiva do país, concluíram cientistas federais.

As recomendações estão contidas em uma revisão científica de 250 páginas fornecida a Matthew Zorn, um advogado do Texas que processou autoridades de Saúde e Serviços Humanos por causa de sua postagem e a publicou online na noite de sexta-feira. Um funcionário do HHS confirmou a autenticidade do documento.

Os registros lançam luz pela primeira vez sobre o pensamento das autoridades federais de saúde que estão considerando uma mudança importante. As agências envolvidas não comentaram publicamente as suas discussões sobre o que equivale a uma reconsideração da marijuana a nível federal.

Desde 1970, a maconha é considerada uma droga de Classe I, categoria que também inclui a heroína. Os medicamentos da Tabela I não têm uso médico e têm alto potencial de abuso, além de acarretarem penalidades criminais severas de acordo com as leis federais de trânsito.

Os documentos mostram que cientistas da Food and Drug Administration e do Instituto Nacional sobre Abuso de Drogas recomendaram que a DEA listasse a maconha como uma droga da Tabela III, junto com a cetamina e a testosterona, que estão disponíveis mediante receita médica.

A revisão realizada por cientistas federais descobriu que, embora a maconha seja a droga ilícita mais frequentemente consumida, ela “não produz resultados graves em comparação com as drogas da Tabela I ou II”.

O abuso de maconha leva à dependência física, observou a análise, e algumas pessoas desenvolvem dependência psicológica. “Mas a probabilidade de resultados graves é baixa”, concluiu a revisão.

A revisão também disse que há algum “apoio científico” para os usos terapêuticos da maconha, incluindo o tratamento da anorexia, dor, náuseas e vômitos relacionados à quimioterapia.

As autoridades federais alertaram que a sua análise não pretendia sugerir que tivessem estabelecido a segurança e a eficácia da marijuana de uma forma que apoiasse a aprovação da FDA, apenas que os dados apoiavam alguns usos médicos da marijuana.

Estas conclusões aparentemente levaram a FDA a romper com décadas de precedentes em Agosto passado e a aconselhar a DEA a recategorizar a marijuana, um movimento relatado pela primeira vez pela Bloomberg News.

Essa recomendação está sendo considerada pela DEA, que deverá anunciar formalmente sua decisão dentro de alguns meses. A reclassificação estará sujeita a comentários públicos e debate antes de ser finalizada.