Sábado, Maio 25

Hamas diz que está revendo proposta israelense de acordo de cessar-fogo

O Hamas disse no sábado que estava analisando uma nova proposta israelense de cessar-fogo na Faixa de Gaza, uma medida que surge em meio a esforços para romper o impasse nas negociações entre o grupo armado e Israel.

A declaração foi feita num momento em que crescia a expectativa de uma invasão israelense de Rafah, uma cidade no sul de Gaza onde mais de um milhão de pessoas foram deslocadas. Grupos humanitários alertaram que tal ofensiva teria consequências catastróficas para os civis.

Num comunicado, Khalil al-Hayya, um alto funcionário do Hamas, disse que o grupo recebeu uma resposta israelita a uma proposta que entregou aos mediadores egípcios e catarianos há duas semanas. Al-Hayya não forneceu quaisquer detalhes incluídos na proposta israelense, mas disse que o Hamas responderia assim que o grupo terminasse de estudá-la.

Na sexta-feira, uma delegação de autoridades egípcias visitou Israel na tentativa de avançar nas negociações entre Israel e o Hamas, de acordo com uma autoridade israelense familiarizada com a visita, que falou sob condição de anonimato porque não estava autorizado a se comunicar com a mídia.

Nas últimas semanas, as negociações destinadas a alcançar um cessar-fogo e a libertação de reféns detidos em Gaza estagnaram no meio de disputas sobre a retirada das forças israelitas e a duração da suspensão dos combates. O Hamas exigiu um cessar-fogo permanente, enquanto Israel manifestou a sua vontade de uma pausa temporária.

Outro ponto importante é se Israel permitirá que os palestinianos deslocados regressem ao norte. Autoridades do Hamas disseram que os palestinos deveriam poder retornar em massa, enquanto autoridades israelenses disseram que Israel quer impor limites sobre quem pode retornar, onde e como.

O impasse deixou os palestinos em Gaza continuando a sofrer com a devastadora campanha de bombardeios de Israel, que causou destruição em todo o território e deixou mais de 34 mil mortos, segundo o Ministério da Saúde de Gaza. Os números do ministério não fazem distinção entre combatentes e civis.

Também impediu que os reféns israelitas se reunissem com as suas famílias, muitas das quais se tornaram cada vez mais críticas relativamente ao fracasso do governo israelita em garantir a liberdade dos seus entes queridos.

Os apelos para negociações de cessar-fogo ganharam urgência à medida que Israel sinaliza que pode prosseguir com a invasão de Rafah. No início desta semana, um oficial militar israelita disse que se Israel iniciasse uma invasão de Rafah, uma “zona humanitária” designada por Israel ao longo da costa seria expandida para acomodar mais civis. Ele falou sob condição de anonimato para discutir deliberações internas.

Os comentários foram uma das primeiras indicações dos planos dos militares israelenses para os civis caso lançassem uma grande ofensiva terrestre na área.

Espera-se que o secretário de Estado Antony J. Blinken viaje a Israel na próxima semana, uma viagem que ocorreria num momento em que os Estados Unidos instaram Israel a não empreender uma grande operação militar em Rafah.

As autoridades israelitas disseram repetidamente que entrar em Rafah era necessário para combater os batalhões do Hamas, mas os aliados de Israel expressaram sérias preocupações sobre o que uma invasão significaria para as pessoas que se aglomeraram na cidade, muitas delas vivendo em tendas improvisadas em grandes campos. .