Sábado, Maio 25

Israel suaviza sua posição sobre algumas questões nas negociações de cessar-fogo, dizem as autoridades: atualizações ao vivo

Após um impasse de meses, Israel está a suavizar algumas das suas exigências nas negociações sobre um cessar-fogo na Faixa de Gaza e a libertação dos reféns ali detidos.

Como parte da sua mais recente proposta, Israel permitiria que civis palestinianos deslocados regressassem ao norte de Gaza, de acordo com duas autoridades israelitas, marcando uma mudança drástica numa questão que tem sido um ponto de discórdia nas conversações.

Durante semanas, Israel exigiu que lhe fosse permitido impor restrições significativas ao regresso dos palestinianos ao norte, temendo que o Hamas pudesse tirar vantagem de um regresso em grande escala para se fortalecer. Agora, Israel deu o seu consentimento para que os civis palestinianos regressassem em massa durante a primeira fase de um acordo, segundo as autoridades, cujo relato foi confirmado por outra autoridade familiarizada com as negociações.

Uma das autoridades israelenses disse que aqueles que retornam ao norte não estariam sujeitos a inspeções ou limitações, enquanto o segundo disse que quase não haveria restrições, sem dar mais detalhes. Os funcionários falaram sob condição de anonimato para compartilhar detalhes da proposta.

Não ficou claro se o Hamas aceitaria a última proposta israelita, que faz parte das negociações que ambos os lados estão a conduzir indirectamente através de mediadores egípcios e catarianos. Até a tarde de quarta-feira, o grupo não havia emitido oficialmente uma resposta.

O Hamas há muito que exige que qualquer acordo inclua o fim permanente da guerra, que forçou a maior parte dos mais de dois milhões de residentes de Gaza a fugir das suas casas. A oferta israelense, de acordo com uma das autoridades israelenses, não inclui linguagem que discuta explicitamente o fim dos combates.

Pairando sobre as negociações está a ameaça de Israel de invadir Rafah, a cidade mais ao sul de Gaza, onde cerca de um milhão de civis estão abrigados, juntamente com o que Israel diz serem milhares de combatentes do Hamas. Mas mesmo quando promete levar a cabo o seu plano de invasão terrestre naquele país, desafiando os apelos dos líderes mundiais e dos grupos humanitários, está a mostrar alguma vontade de fazer concessões nas negociações para parar os combates e libertar os reféns.

Na segunda-feira, o The New York Times informou que, como parte da sua proposta, Israel reduziu o número de reféns que o Hamas teria de libertar na fase inicial de um acordo. Durante meses insistiu na libertação de 40 reféns, mas na nova oferta o governo israelita disse que aceitaria 33.

Essa mudança foi motivada em parte pelo facto de Israel acreditar agora que alguns dos 40 morreram no cativeiro, disse um dos responsáveis.

À medida que surgiam detalhes da última oferta de Israel, o primeiro-ministro Benjamin Netanyahu ficou sob pressão crescente dos seus parceiros de coligação de direita para rejeitar o compromisso. Se se retirarem do governo por causa de um acordo, Israel poderá avançar para eleições antecipadas, ameaçando o futuro político de Netanyahu.

O ministro das Finanças, Bezalel Smotrich, um membro linha-dura da coligação, disse que se Netanyahu desistir imediatamente de invadir Rafah, um governo sob a sua liderança “não terá o direito de existir”.

Na terça-feira, Netanyahu disse que ocorreria uma invasão de Rafah, sem dizer quando.

“A ideia de que vamos parar a guerra antes de alcançar todos os seus objectivos está fora de questão”, disse ele numa reunião com as famílias dos reféns. de acordo com uma declaração de seu escritório. “Entraremos em Rafah e eliminaremos os batalhões do Hamas – com ou sem acordo – para alcançar a vitória total.”

Se Israel e o Hamas chegarem a um acordo, será o primeiro cessar-fogo desde finais de Novembro, quando uma breve pausa nos combates permitiu a libertação de mais de 100 reféns e 240 prisioneiros palestinianos.

O Hamas e os seus aliados capturaram cerca de 240 israelitas e estrangeiros no ataque de 7 de Outubro, levando Israel a entrar em guerra em Gaza. Acredita-se que mais de 130 reféns ainda estejam detidos em Gaza, mas acredita-se que alguns tenham morrido.

Aaron Boxerman contribuiu com relatórios.