Sábado, Maio 25

Mais de 170 manifestantes presos na Northeastern e na Arizona State University

Quase 200 manifestantes foram presos no sábado na Northeastern University, na Arizona State University e na Indiana University, de acordo com autoridades, enquanto universidades de todo o país lutam para reprimir as crescentes manifestações e acampamentos pró-palestinos nos campi.

Mais de 700 manifestantes foram presos em campi americanos desde 18 de abril, quando a Universidade de Columbia pediu ao Departamento de Polícia de Nova Iorque que limpasse um acampamento de protesto no local. Em vários casos, a maioria dos detidos foi libertada.

Em Northeastern, Boston, os manifestantes montaram acampamento no Centennial Common do campus esta semana, o que atraiu mais de 100 apoiadores. A administração pediu aos manifestantes que saíssem, mas muitos estudantes não o fizeram.

Por volta da madrugada de sábado, agentes da Polícia do Estado de Massachusetts chegaram ao acampamento e começaram a prender os manifestantes, algemando-os com braçadeiras e destruindo várias tendas. Eles disseram que prenderam 102 manifestantes. Não ficou claro quantos dos presos eram estudantes, mas a universidade disse que os estudantes que apresentassem suas carteiras de identidade universitárias seriam libertados.

Uma porta-voz do Nordeste, Renata Nyul, disse que a manifestação foi “infiltrada por organizadores profissionais” e que o “uso de calúnias virulentas anti-semitas, incluindo ‘Mate os Judeus’, ultrapassou os limites”.

Os manifestantes negaram ambas as alegações e uma O vídeo parecia mostrar que foi um contra-manifestante pró-Israel quem usou a frase, como parte da sua crítica aos gritos dos manifestantes pró-Palestina. Em resposta a esse vídeo, a Sra. Nyul manteve os seus comentários iniciais, acrescentando que “qualquer sugestão de que comentários repulsivos e anti-semitas são por vezes aceitáveis, dependendo do contexto, é repreensível”.

Depois que a polícia conduziu os manifestantes para fora do acampamento e depois os algemou e os levou para um prédio próximo, eles bloquearam um beco próximo onde os veículos da polícia estavam estacionados. Eles aplaudiram em apoio quando um dos manifestantes presos, vestindo um moletom nordestino, acenou pelas janelas do prédio com as mãos amarradas.

Alina Caudle, estudante do segundo ano da Northeastern University, reiterou as exigências dos manifestantes para que a universidade divulgue os seus investimentos e se desfaça de empresas que os manifestantes consideram apoiarem a guerra de Israel em Gaza.

“Queremos que eles se livrem do dinheiro que pagamos pelas mensalidades”, disse Caudle. “Nossa administração não está nos ouvindo.”

Sra. Caudle disse acreditar que a grande maioria dos estudantes no acampamento eram estudantes do Nordeste, juntamente com um grande número de estudantes e professores judeus que apoiaram o protesto.

Às 11h de sábado, a maior parte do acampamento havia sido evacuada. Uma empresa de mudanças foi contratada para carregar as barracas, lanches e outros itens que estavam espalhados pelo terreno.

A prisão em massa em Northeastern foi a segunda repressão matinal contra manifestantes em um campus de Boston em menos de uma semana. Na manhã de quinta-feira, policiais de Boston prenderam 118 pessoas no Emerson College depois que os manifestantes se recusaram a se mover e formaram uma barricada.

A mais de 4.000 quilômetros de distância, na Universidade Estadual do Arizona, a polícia escolar prendeu 69 pessoas na manhã de sábado depois que elas montaram um acampamento não autorizado, violando a política da universidade, disseram funcionários da escola.

A escola disse que os manifestantes criaram um acampamento e que o grupo recebeu várias instruções para se dispersar.

“Embora a universidade continue a ser um ambiente que abraça a liberdade de expressão, a primeira prioridade da ASU é criar um ambiente seguro que apoie o ensino e a aprendizagem”, disseram os funcionários da escola num comunicado.

Três pessoas também foram presas na escola em conexão com um protesto na sexta-feira, disseram autoridades. ditado.

Na Universidade de Indiana, em Bloomington, onde a polícia universitária prendeu 33 pessoas num acampamento no início desta semana, a polícia universitária e estadual prendeu mais 23 manifestantes no sábado. As autoridades disseram que um grupo “ergueu inúmeras tendas e marquises na noite de sexta-feira com a intenção declarada de ocupar o espaço universitário indefinidamente”.

Escolas de todo o país usaram estratégias diferentes na semana passada para reprimir os protestos. Alguns recuaram e tentaram diminuir as tensões, enquanto noutras universidades, como a Universidade do Sul da Califórnia e a Universidade Emory, a polícia foi rápida a desmantelar acampamentos e a prender estudantes e professores, entre outros.

Em algumas manifestações houve alguns relatos de feridos, mas em muitos casos as detenções foram pacíficas e os manifestantes muitas vezes renderam-se voluntariamente quando os agentes intervieram.

No sábado, parecia haver um aumento da presença policial em vários campi, embora não tenham sido feitas prisões em todos eles. Na Universidade da Pensilvânia, mais de uma dúzia de policiais do campus estavam estacionados ao longo das barricadas, com mais de 100 manifestantes em um acampamento e cerca de uma dúzia de contramanifestantes pró-Israel ao longo do campus.

Em todo o país, na Universidade Estadual Politécnica da Califórnia, em Humboldt, policiais foram posicionados em todo o campus agora fechado depois que os manifestantes ocuparam dois prédios no início desta semana. Cerca de três dezenas de manifestantes estavam dentro de um acampamento.

Além das detenções, as escolas estão a utilizar outras medidas para exercer pressão. Em Harvard, o acesso ao histórico Harvard Yard era restrito, e apenas aqueles que apresentavam carteira de identidade universitária podiam entrar. A universidade também suspendeu um grupo pró-Palestina, mas o grupo e seus apoiadores montaram acampamento na quadra mesmo assim.

No sábado, o reitor de estudantes de Harvard enviou um e-mail ao corpo discente alertando que qualquer pessoa que participasse do acampamento enfrentaria ações disciplinares. Mas não havia sinais de qualquer operação policial iminente.

Na Universidade Cornell, o jornal estudantil, O Cornell Daily Sun, informou na sexta-feira que quatro estudantes ligados ao campo pró-palestiniano no campus foram suspensos da escola. Funcionários da Cornell confirmaram que as suspensões foram emitidas, mas se recusaram a fornecer números.

Num comunicado no sábado à tarde, o vice-presidente da universidade para relações universitárias, Joel M. Malina, disse que a escola pediu aos manifestantes que se deslocassem para uma área “onde o ruído não perturbará as aulas” e onde as pessoas poderiam facilmente evitar o acampamento. mas disse que a oferta foi rejeitada.

Malina também disse que a universidade está preparada para emitir suspensões adicionais, “bem como encaminhamentos para Recursos Humanos para os funcionários participantes”.

Nick Wilson, um estudante que disse estar entre os suspensos, disse em um Artigo de opinião ao The Cornell Daily Sun que ele e outros foram retirados de seus cursos atuais e não foram autorizados a entrar no campus. Mesmo assim, escreveu ele, a suspensão “de uma forma estranha” deu-lhe esperança. Segundo o seu raciocínio, instituições como Cornell não o teriam suspendido e a outros “a menos que realmente temessem que o nosso movimento pudesse ter sucesso”.

Halina Bennet, Andrew Spielmann, Jonathan Lobo e Joel Wolfram relatórios contribuídos.