Sábado, Maio 25

Pessoal dos EUA em Israel enfrenta novas restrições de viagem: atualizações ao vivo

Seis meses após o início da guerra entre Israel e o Hamas, o povo de Gaza enfrenta uma crise de fome que, segundo as Nações Unidas, está à beira da fome.

A crise em Gaza é inteiramente provocada pelo homem, o resultado da guerra de Israel contra o Hamas e de um cerco quase completo ao território, dizem especialistas em ajuda humanitária. O conflito foi também a raiz de duas outras catástrofes nas últimas duas décadas que foram classificadas por uma autoridade global como fome, no Sudão e na Somália, embora nesses países a seca também tenha sido um importante factor subjacente.

Aqui está uma olhada em como Gaza chegou a este ponto.

A escassez de alimentos em Gaza foi criada pelo bloqueio e pelas operações militares de Israel.

Durante anos, antes da última guerra, Gaza esteve sujeita a um bloqueio israelita, apoiado pelo Egipto. Durante o bloqueio, a ajuda humanitária, incluindo as importações comerciais e alimentares, foi estritamente restringida. Ainda assim, os níveis de subnutrição entre os cerca de 2,2 milhões de residentes de Gaza eram baixos e comparáveis ​​aos dos países da região.

Depois de 7 de Outubro, quando o Hamas liderou um ataque mortal contra Israel que incitou a guerra, Israel impôs um cerco e instituiu controlos muito mais rigorosos sobre o que poderia entrar em Gaza, impedindo a entrada de qualquer coisa que acreditasse poder beneficiar Gaza. Ao mesmo tempo, Israel bloqueou as importações comerciais de alimentos que enchiam as lojas e os mercados de Gaza.

Também bombardeou o porto de Gaza, restringiu a pesca e bombardeou muitas das explorações agrícolas do território. Os ataques aéreos e os combates destruíram as infra-estruturas de Gaza e forçaram quase toda a sua população a fugir das suas casas. Este deslocamento, somado à destruição de empresas e ao aumento dos preços, tem dificultado a alimentação das famílias.

“O sistema de produção de alimentos foi completamente destruído e a falta de ajuda de emergência que chega num curto espaço de tempo causou uma queda livre”, disse Jens Laerke, porta-voz do escritório humanitário da ONU.

A fome tem uma definição precisa para as Nações Unidas e grupos de ajuda.

Ele Classificação integrada das fases de segurança alimentaruma iniciativa dos órgãos da ONU e das principais agências humanitárias, também conhecida como IPC, disse no mês passado que a fome era iminente no norte de Gaza. A agência declara fome quando pelo menos 20 por cento das famílias enfrentam uma extrema falta de alimentos; quando pelo menos 30% das crianças sofrem de desnutrição aguda; e quando pelo menos dois adultos ou quatro crianças em cada 10.000 pessoas morrem todos os dias de fome ou de doenças relacionadas com a subnutrição.

Uma criança recebendo tratamento para desnutrição no Hospital Kamal Adwan, no norte de Gaza, na semana passada.Crédito…Mahmoud Issa/Reuters

Desde 2004, quando o sistema foi estabelecido, ocorreram duas fomes, por essa definição. Em 2011, o IPC declarou fome em partes da Somália, que tinham sofrido décadas de conflito. Anos de seca arruinaram o sector agrícola e a economia, obrigando muitas pessoas a abandonar as suas casas em busca de alimentos. Ao mesmo tempo, um grupo insurgente islâmico impediu a fuga de pessoas famintas e expulsou organizações de ajuda ocidentais. No total, cerca de 250 mil pessoas morreram.

Seis anos depois, foi declarada fome em partes do Sudão do Sul. O país sofreu anos de seca, mas a ONU disse que a fome foi provocada pelo homem. Milhões de pessoas fugiram devido a uma guerra civil que destruiu a economia do país, e as forças rebeldes e os soldados do governo bloquearam a ajuda e sequestraram camiões de alimentos. Dezenas de milhares morreram.

Gaza é pequena e maioritariamente urbana, por isso deve haver comida à mão.

Gaza tem apenas 40 quilómetros de extensão e é em grande parte urbana, e não há escassez de alimentos nas suas fronteiras com Israel e o Egipto.

Ainda assim, as agências humanitárias têm tido dificuldade em realizar o seu trabalho. Seis meses de guerra incluíram o assassinato de dezenas de trabalhadores humanitários, incluindo sete do World Central Kitchen, o grupo de ajuda fundado pelo chef José Andrés. Esses funcionários foram mortos num ataque de drone israelense em 1º de abril, depois de entregar toneladas de alimentos a um armazém.

Em Gaza há um grande desacordo entre a ONU e o governo israelita sobre a quantidade de ajuda que entra em Gaza todos os dias, mas as organizações humanitárias dizem que precisam de um melhor acesso, especialmente ao norte de Gaza. Eles dizem que as autoridades israelenses negaram repetidamente permissão para que comboios de ajuda se movimentassem dentro de Gaza.

Arif Husain, economista-chefe do Programa Alimentar Mundial, disse que o que tornou a situação em Gaza tão chocante foi a escala e a gravidade da crise e a velocidade com que esta se desenvolveu.

Israel diz que não impôs limites à ajuda. Os críticos discordam.

Os críticos da forma como Israel está a conduzir a guerra dizem que a crise da fome decorre em grande parte das restrições israelitas sobre os locais onde os camiões podem entrar e de um oneroso processo de inspecção. Alguns acusaram Israel de abrandar a ajuda para punir os habitantes de Gaza pelo ataque de 7 de Outubro.

As autoridades israelenses dizem que não estabeleceram limites à quantidade de ajuda que pode fluir para Gaza. Culpam a ONU, especialmente a UNRWA, a principal agência que ajuda os palestinianos, por não distribuir eficazmente a ajuda.

A COGAT, a agência israelita responsável pela coordenação das entregas de ajuda a Gaza, afirma que “aumentou” as entregas nos últimos dias e está a abrir um ponto de entrada adicional no norte de Gaza. De forma mais ampla, o governo israelita responsabiliza o Hamas por todo o sofrimento civil em Gaza. (A UNRWA disse no mês passado que Israel negou ao grupo o acesso ao norte de Gaza, embora Israel tenha refutado essa afirmação.)

Os governos de todo o mundo instaram Israel a enfrentar a crise rapidamente. O presidente Biden alertou na semana passada que os Estados Unidos poderiam retirar o seu apoio a Israel se não garantisse o fornecimento de ajuda adequada e protegesse os civis. Na quarta-feira, Biden disse que as medidas que Israel tomou desde então “não foram suficientes”.

Adam Sella relatórios contribuídos.