Sábado, Maio 25

Presidente Mike Johnson diz que universidades americanas são “hostis” aos judeus

O presidente da Câmara, Mike Johnson, comparou na terça-feira os protestos que ocorreram nos campi universitários americanos com o que aconteceu nas instituições de ensino superior na Alemanha antes da Segunda Guerra Mundial.

Eram os “mesmos centros de aprendizagem de elite” dos quais “professores e estudantes judeus foram repentinamente expulsos” na Alemanha, disse Johnson, um republicano da Louisiana, em comentários contundentes numa cerimónia em memória do Holocausto no Capitólio. Hoje, disse ele, as universidades americanas tornaram-se “lugares hostis para estudantes e professores judeus”.

“Os mesmos campi que antes eram invejados pela academia internacional sucumbiram a um vírus antissemita”, acrescentou. “Estudantes que eram conhecidos por produzirem trabalhos acadêmicos são agora conhecidos por esfaquearem seus colegas judeus nos olhos com bandeiras palestinas.”

Johnson falou na cerimônia perante o presidente Biden, que também condenou parte da retórica odiosa e dos danos materiais que ocorreram quando os protestos pró-palestinos varreram os campi universitários dos EUA nas últimas semanas. “À comunidade judaica, deixe-me dizer que vejo sua dor, seu medo e sua mágoa”, disse Biden.

Johnson tem como alvo principal os protestos pró-Palestina desde que aprovou um projeto de lei para enviar 60 mil milhões de dólares em ajuda à Ucrânia, uma medida que irritou o seu flanco direito. A agitação no campus deu-lhe uma nova questão a destacar, à medida que procura vantagens políticas numa questão que divide os democratas.

Ele visitou a Universidade de Columbia no mês passado, onde pediu a Biden que tomasse medidas para reprimir os protestos, incluindo a possibilidade de enviar a Guarda Nacional. Ele anunciou mais audiências no Congresso com os principais administradores universitários. E ele trouxe ao plenário a Lei de Conscientização sobre o Antissemitismo, que reprimiria o antissemitismo nos campi, um projeto de lei que acabou provocando uma reação estranha de alguns da extrema direita.

Na terça-feira, Johnson descreveu em detalhes o horror de 7 de Outubro, quando o Hamas lançou um ataque contra cidadãos israelitas indefesos, comparando-o com imagens duradouras do Holocausto.

“Temos que fazer tudo o que pudermos para garantir que o mal não prevaleça”, disse ele. “Este é um momento para todos nós nos unirmos.”