Sábado, Maio 25

Últimas notícias sobre Israel, Gaza e Irã: atualizações ao vivo

A escala da crise humanitária em Gaza – e as dificuldades que os trabalhadores humanitários enfrentam para lhe responder – vai “além do que foi visto antes” noutros conflitos, afirmaram as Nações Unidas na quarta-feira.

O custo de lidar com isso pode ser igualmente impressionante.

A ONU disse As suas agências e outros grupos de ajuda precisariam de mais de 2,8 mil milhões de dólares dos doadores para continuar a sua resposta à crise humanitária em Gaza durante o resto do ano.

“Destruição generalizada. Vários deslocamentos de massa. Fome iminente. O sistema de saúde entrou em colapso”, afirmou o Escritório da ONU para a Coordenação de Assuntos Humanitários em comunicado. “Todo dia é uma luta pela sobrevivência das pessoas em Laçoà medida que a guerra continua e precisa se aprofundar.”

O montante solicitado, 2,8 mil milhões de dólares, é apenas parte do que a ONU estimou que será o preço total da resposta à crise: 4,089 mil milhões de dólares. A maior parte do dinheiro solicitado (2,5 mil milhões de dólares) iria para trabalhos de ajuda humanitária em Gaza, enquanto uma quantia menor (297,6 milhões de dólares) iria para a Cisjordânia, onde a violência se agrava há meses.

Palestinos deslocados caminharam por uma praia no domingo enquanto tentavam retornar para suas casas no norte de Gaza.Crédito…Agência France-Presse – Getty Images

A ONU reduziu o seu pedido de financiamento para 2,8 mil milhões de dólares, necessários para pagar apenas operações que parecessem viáveis ​​durante os próximos nove meses, durante os quais assumiu que “muitas das actuais preocupações de segurança e limitações de acesso continuarão”.

A guerra em Gaza começou após o ataque liderado pelo Hamas a Israel em 7 de outubro, que as autoridades israelenses disseram ter matado aproximadamente 1.200 pessoas. Desde então, a distribuição de ajuda em Gaza tem sido dificultada por uma cascata de restrições e perigos.

Mais de 200 trabalhadores humanitários morreram durante o conflito, a grande maioria deles palestinos de Gaza, segundo o secretário-geral da ONU, António Guterres. No início deste mês, sete trabalhadores humanitários da Cozinha Central Mundial, incluindo seis estrangeiros, foram mortos numa série de ataques aéreos contra o seu comboio.

As suas mortes provocaram protestos internacionais e levaram a uma investigação interna por parte dos militares israelitas, que repreenderam o pessoal responsável pelos ataques e disseram que as suas mortes foram um erro.

Nos primeiros meses da guerra, Israel impôs um bloqueio quase total às mercadorias que entravam na Faixa de Gaza, incluindo assistência humanitária. Ele acabou cedendo, mas insistiu que as remessas recebidas fossem meticulosamente inspecionadas e proibiu uma ampla gama de itens, como tesouras, que, segundo ele, poderiam ter uso militar potencial.

As consequências de um ataque israelita a edifícios residenciais e a uma mesquita em Rafah, uma cidade de Gaza, em Fevereiro.Crédito…Fátima Shbair/Associated Press

Grupos de ajuda eu disse isso Os inspetores israelenses rejeitaram caminhões inteiros de ajuda porque foi determinado que um único item a bordo teria possível uso militar. Às vezes, os grupos não são informados sobre o que era o artigo ou por que foi rejeitado, dizem eles.

Israel também acusou o Hamas de desviar ajuda. Mas as autoridades dos EUA, incluindo Samantha Power, diretora da Agência dos EUA para o Desenvolvimento Internacional, e David SatterfieldO enviado especial dos EUA para questões humanitárias no Médio Oriente disse que não há provas dessa afirmação.

A ONU exigiu que Israel melhorasse as condições sob as quais a ajuda é prestada, nomeadamente garantindo aos trabalhadores humanitários um acesso seguro às pessoas necessitadas, aumentando o número de pontos de entrada e rotas seguras para o abastecimento humanitário e melhorando a capacidade dos trabalhadores humanitários para se deslocarem com segurança. em Gaza.

Nas últimas semanas, Israel tem estado ansioso por mostrar que mais ajuda está a chegar a Gaza, e também tem estado interessado em culpar a ONU pelos atrasos na sua distribuição.

Esta semana, Israel disse que 553 camiões de ajuda passaram pelas fronteiras de Kerem Shalom e Nitzana e que 126 camiões foram autorizados a viajar do sul de Gaza para o norte de Gaza.